quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Bico-reto-de-banda-branca

Heliomaster squamosus

11-11,5 cm

MACHO - ADULTO
Foto de minha autoria, feita aqui em Arceburgo-MG, na Fazenda Santa Terezinha, perto da casa do saudoso Biézinho.

BICOS RETOS 
São beija-flores grandes de bico longo, quase reto. Não são numerosos em lugar algum; vivem em áreas abertas com árvores esparsas.

Raro ou escasso, em mata de galeria, caatinga e áreas ajardinadas, no SE da região. Bico longo e reto. Macho verde-bronzeado escuro por cima, coroa mais luzidia, com manchinha atras do olho e curto  "bigode" brancos; cauda furcada, verde-azulada escura. Garganta violácea brilhante, estendendo-se em tufinhos para os lados; por baixo, verde-escuro com estria branca mediana, estreita mas bem visível. Fêmea ,mais apagada, sem violáceo; garganta escamada de verde escuro e branco, orlado por um bigode branco; por baixo, cinzenta com estria mediana branca (menos evidente que no macho); cauda pouco furcada, penas externas com pontas brancas. O macho, escuro, é fácil de reconhecer, e a fêmea é identificada pela estria branca por baixo (que os outros bicos-retos não tem). Comportamento como o do bico-reto-de-gola. 

Espécie endêmica (ocorre apenas no Brasil)

Citação: Gwynne, John A., Ridgely, Robert S., Tudor, Guy & Argel, Martha (2010)

Aves do Brasil. Vol. 1. Pantanal & Cerrado.

Editora Horizonte

Foto de minha autoria, feita aqui em Arceburgo-MG, a ave estava sugando néctar da eritrina-candelabro- Erythrina speciosa

A parada nupcial desta espécie tem uma particularidade bem distinta no tocante ao voo de exibição da plumagem. O macho se apresenta em voo de libração diante da fêmea e pairando um pouco acima da cabeça, cerca de 20 cm, mais ou menos, e desce, como se estivesse caindo em degraus, ou seja, cai e para a cada 10 cm de queda, indo até 20 cm, mais ou menos, abaixo do nível da fêmea, para subir em voo ao mesmo local de onde iniciou a queda e repetindo igual movimento, por mais duas ou três vezes. Prossegue então estendendo as penas dos tapetes laterais, abrindo-as em leque e sempre repetindo a mesma silaba de som agudo, melodioso e metálico, bem característico, enquanto no voo  de descida acima descrito emite sons surdos pouco audivieis. Depois da voltas ao redor da fêmea, em voo mais próximo e por vezes a fêmea alça voo, sendo seguida pelo macho, e no ar, subindo e baixando em paraleloo, ambos a relativa altura, para baixarem em um pouso em local aberto, até que a fêmea se entrega.
Citação:  Augusto Ruschi, Aves do Brasil, Volume V, Beija-flores

MACHO - ADULTO
Foto que fiz no Parque Ambiental.

Foto gentilmente  cedida por  Pedro C. Lima para esta postagem. Local de observação: Jeremoabo/BA em 07/02/2009 - inserida no Wikiaves.
Observações do autor: Este ninho foi construído em uma bromélia, do Gênero Tillandsia, fixada na rede elétrica em pleno centro do povoado de Água Branca.

Nota do Blog:
Nomes populares deste beija-flor: bico-reto-de-banda-branca, bico-reto-verde, estrela-verde-azulado.
Notei que aqui em Arceburgo/MG ele visita as flores da eritrina-candelabro - Erythrina speciosa -  e do malvavisco - Malvaviscus arboreus Cav.
Por aqui essa ave não é avistada com facilidade.

BEIJA-FLORES DE BRASIL -  NUMERO 29 
BEIJA-FLORES DE ARCEBURGO-MG - NUMERO 8














 

Nenhum comentário:

Postar um comentário